Portal do Governo | Investe SP | Cidadão SP | Internacional SP
 Terça-Feira, 22 de Agosto de 2017
Instituto Biológico
     
  Publicações  
     
  bulletArquivos do Instituto Biológico  
  bulletO Biológico  
  bulletPáginas do Instituto Biológico  
  bulletAnais da RIFIB  
  bulletBoletins Técnicos e Outras publicações  
  bulletComunicados Técnicos  
  bulletDocumentos Técnicos  
  bulletFolderes  
  bulletLivro: Bananicultura  
     
     
     
Home > Publicações > Comunicados técnicos > Arterite Viral Equina
 
 
  Arterite Viral Equina  
     
  Maria do Carmo C. de S. H. Lara - lara@biologico.sp.gov.br
Eliana M. C. Villalobos - villalobos@biologico.sp.gov.br
Elenice Maria S. Cunha - cunha@biologico.sp.gov.br
Centro de P&D de Sanidade Animal
 
 
Número 145 18/11/2010

 
     
 

A arterite viral equina é uma enfermidade infecciosa causada por um vírus do gênero Arterivirus, membro da família Arteriviridae.

A exposição ao vírus da arterite (VAE) pode resultar no desenvolvimento da infecção com manifestações clínicas características ou ter uma evolução assintomática na dependência da idade e das condições físicas do animal infectado e das condições ambientais, bem como da quantidade de partículas inoculadas, em infecções naturais ou induzidas.

As manifestações clínicas da enfermidade observadas em casos de infecção natural por este vírus apresentam uma variada combinação dos seguintes sintomas: febre de até 41°C; apatia, depressão e anorexia; leucopenia; edema da porção distal dos membros, principalmente dos posteriores; secreção ocular e nasal; conjuntivite e rinite; edema da região periorbital ou supraorbital; edema do escroto e do prepúcio dos garanhões e de glândula mamária das éguas; e abortamento em éguas no terço final da gestação. Foi demonstrada que a transmissão do vírus de um animal infectado durante a fase aguda da doença, para um cavalo susceptível, ocorre por via respiratória. Essa parece ser a via de transmissão mais frequente do vírus da arterite dos equinos durante um surto da doença. Entretanto, garanhões infectados pelo vírus da arterite são capazes de infectar as éguas durante a cobertura, pois podem se tornar carreadores inaparentes do vírus albergando o agente no sêmen .

O mecanismo do abortamento causado pela infecção pelo vírus não foi, ainda, esclarecido de forma definitiva. Alguns pesquisadores sugeriram que a morte fetal poderia ocorrer “in utero” durante a fase aguda da infecção, e que o abortamento seria, provavelmente, consequente às lesões no útero determinadas por diminuição do suprimento sanguíneo destinado à placenta e ao feto, ou pela compressão mecânica exercida pelo edema no miométrio sobre os vasos sanguíneos, como também pela distensão tecidual, por perda da tonicidade do miométrio.

Nenhuma lesão macro ou microscópica significante foi descrita na maioria dos fetos abortados em casos clínicos ou por infecção experimental do vírus. No entanto, lesões vasculares características e evidentes foram observadas na placenta, cérebro, fígado e baço, como também alterações anatomo-patológicas de menor extensão nos pulmões de dois casos clínicos de abortamento determinados pelo referido vírus.

Nas éguas, a infecção pelo vírus da arterite determina, frequentemente, o abortamento depois do terço inicial da gestação e, durante a evolução da doença, descreveu-se ainda a ocorrência de febre, acompanhada de apatia e depressão, observando-se também os seguintes sintomas: corrimentos ocular e nasal, inicialmente seromucoso e a seguir mucopurulento; edemas da região periorbital, da porção distal dos membros e das glândulas mamárias; havendo ou não associação com lesões cutâneas urticariformes.

Algumas citações bibliográficas destacaram que o abortamento devido a infecção pelo vírus da arterite pode ocorrer na fase aguda da doença ou no começo da fase de convalescência, na presença ou ausência das manifestações clínicas da doença, ocorrendo, geralmente, após o terceiro mês de gestação, por descolamento da placenta devido à necrose do endométrio. Os fetos algumas vezes apresentam-se autolisados, impedindo a perfeita observação das lesões, principalmente vasculares, semelhantes as que foram frequentemente detectadas nos animais adultos infectados, dificultando a diferenciação do abortamento causado por outros agentes etiológicos, como, por exemplo, o herpesvírus.

Foi estabelecido que o diagnóstico virológico deveria ser feito pelo isolamento do vírus de amostras colhidas, com zaragatoas, na região nasofaringeana ou a partir de amostras de sangue colhidas com anticoagulante. Entretanto, o vírus poderia, também, ser isolado a partir de fragmentos de tecidos dos fetos abortados, de fluidos placentários, da urina, do leite, bem como sêmen de garanhões infectados, pois esse vírus se replica em culturas de células de rim de coelho ou de hamster e de outros tecidos de origem equina, principalmente se fossem obtidos de fetos. Após o isolamento, o vírus deve ser identificado por microscopia eletrônica, por testes de vírus neutralização ou de imunofluorescência e pela técnica de reação em cadeia pela polimerase (PCR).

Levantamentos epidemiológicos têm demonstrado a ocorrência da infecção de equinos pelo vírus da arterite em países da América do Norte, Europa, África ou em regiões bem definidas como na Austrália, Nova Zelândia e Oriente Médio. Descrições de surtos epizoóticos foram feitas em poucos países, podendo destacar aqueles caracterizados no Canadá, nos Estados Unidos, na Polônia e na Inglaterra.

O primeiro surto de Arterite viral equina ocorreu nos EUA em 1953, em uma propriedade em Bucyrus, no Estado de Ohio, quando se caracterizou um vírus como sendo o responsável por casos de abortamento e quadro respiratório.

No Brasil, o primeiro surto de arterite viral equina ocorreu no Município de Ibiúna, Estado de São Paulo, numa propriedade de criação de animais da raça Mangalarga Paulista, onde foi observado abortamento em uma égua que estava no 5o mês de gestação. Outros onze animais apresentaram corrimento nasal e ocular, blefaroedema, alguns deles com edema de ventre e membros, além de orquite em dois machos que compunham o grupo.

Várias enquetes sorológicas têm demonstrado a presença da infecção pelo VAE em várias regiões do mundo, com prevalência bastante variada. Em alguns países essa prevalência é baixa, como no Japão, na Inglaterra e no Irã. Em outros é bastante alta como no Marrocos, Itália, Canadá, Austrália, Áustria e Polônia.

Em alguns países, onde a criação de equinos e seu trânsito para realização de provas hípicas é bastante intenso, a prevalência da arterite viral equina apresenta números significativos como nos Estados Unidos, França, na Argentina, e na Alemanha.

Levantamentos sorológicos realizados no Brasil demonstram que a infecção pelo vírus da arterite ocorre também na população equina dos estados de São Paulo, Paraná, Minas Gerais e Rio Grande do Sul, o que reflete o potencial desse agente em perdas econômicas.

Os relatos clínicos de abortamentos em criações de equinos do Estado de São Paulo são bastante comuns, mas nem sempre se consegue chegar a um diagnóstico etiológico do quadro de abortamento. Segundo alguns pesquisadores, a arterite viral equina está ocorrendo no Estado de São Paulo, nas suas formas mais comuns de manifestação clínica da doença, quais sejam o abortamento e as alterações respiratórias.

Diagnóstico

A infecção aguda pode ser diagnosticada através do isolamento viral ou da demonstração da soroconversão em amostras de soro sanguíneo colhidas durante a fase aguda da doença e com um intervalo de 21 a 28 dias após (fase convalescente).

O vírus pode ser isolado, durante a fase aguda da enfermidade, a partir do sangue total colhido com anticoagulante, swab nasal ou nasofaringeano. Os swabs devem ser colocados em meio de transporte adequado e transportados refrigerados ou congelados, ao laboratório. O sangue total deve ser transportado refrigerado.

No caso de abortamento, fragmentos do feto abortado, tais como pulmão, cérebro, linfonodo, fígado, baço, rim e placenta devem ser submetidos ao laboratório para o isolamento viral. Se remetido rapidamente (24 horas), o material deverá ser resfriado; se o tempo de remessa for maior, deverá ser congelado. O resultado final do isolamento em cultivo celular pode ser obtido entre 3 a 4 semanas.

Podemos utilizar a técnica de PCR para a detecção do RNA viral. As técnicas moleculares têm a vantagem de serem mais sensíveis, além do mais, às vezes a qualidade do material enviado ao isolamento viral é imprópria para o isolamento viral, principalmente os de feto abortado.

Para detectar anticorpos específicos contra o vírus da arterite equina, utiliza-se a técnica de soroneutralização em microplacas, que é o teste padrão e o único aceito internacionalmente para a autorização de comércio de animais (importação e exportação). O resultado desta prova demora 4 dias e é considerado positivo quando o título for igual ou superior a 4.

No caso de garanhões soropositivos, deve-se determinar se este é portador ou não do vírus no sêmen (infecção persistente). O vírus pode ser detectado em amostras de sêmen através do isolamento viral ou da técnica de RT-PCR.

Referências

Cavanagh, D. Nidoviridales: a new order comprising Coronaviridae and Arteriviridae. Archives of Virology, v. 142, p. 627-33, 1997.

Chirnside, E. D. Equine arteritis virus: An overview. British Veterinary Journal, v.48, n. 3, p. 181-97, 1992.

Coignoul, F. L.; Cheville, N. F. Pathology of maternal genital tract, placenta, and fetus in equine viral arteritis. Veterinary Pathology, v. 21, n. 3, p. 333-40, 1984.

Del Piero, F. Equine viral arteritis. Veterinary Pathology, v. 37, p. 287-296, 2000.

Fernandes, W.R.; Souza, M.C.C. Determinação sorológica da arterite viral equina em equinos hígidos, com abortamento e com sintomas de alteração do sistema respiratório. Revista Brasileira de Ciência Veterinária, v. 6, n. 3, p. 147-150, 1999.

Lara, M.C.C.S.H.; Fernandes, W.R.; Birgel, E.H. Prevalência de anticorpos antivírus da arterite dos equinos em cavalos criados no Estado de São Paulo. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v. 54, n. 3, p. 223-227, 2002.

Mccollum, W. H.; PRICKETT, M. E.; BRYANS, J. T. Temporal distribution of equine arteritis virus in respiratory mucosa, tissues and body fluids of horses infected by inhalation. Research in Veterinary Science, v. 12, n. 4, p. 459-64, 1971.

Mumford, J. A. Preparing for equine arteritis. Equine Veterinary Journal, v. 17, n. 1, p. 6-11, 1985.

Powell, D. G. Viral respiratory disease of the horse. Veterinary Clinics of North America: Equine Practice, v. 7, n. 1, p. 27-52, 1991.

Senne, D.A.; Pearson, J.E.; Carbrey, E.A. Equine viral arteritis: a standard procedure for the virus neutralization test and comparison of results of a proficiency test performed at five laboratories. In: Proceeding U. S. Animal Health Association, v. 89, p. 29-34, 1985.

Souza, M.C.C.; Fernandes, W.R.; Birgel, E.H.; Merkt, H. Serologische Untersuchungen zur Verbreitung des Equinen Arteritisvirus (EAV) im brasilianischen Bundesstaat São Paulo im Vergleich zur Bundesrepublik Deutschland. Pferdeheilkunde, v. 14, n. 4, p. 296-298, 1998.

Swerczek, T. W.; Roberts, A. W. Equine viral arteritis abortion. In: Kirkbride, C. A., Laboratory diagnosis of livestock abortion, 3 ed., 1990. p. 221-3.

Timoney, P. J.; Mccollum, W. H. Equine viral arteritis. Veterinary Clinics of North America: Equine Practice, v. 9, n. 2, p. 295-309, 1993.

Timoney, P. J.; Mccollum, W. H. Equine viral arteritis: epidemiology and control. Journal of Equine Veterinary Science, v. 8, n. 1, p. 54-9, 1988.

Timoney, P. J.; Mccollum, W. H.; Murphy, T. W.; Roberts, A. W.; Willard, J. G.; Carswell, G. D. The carrier state in equine arteritis virus infection in the stallion with specific emphasis on the veneral mode of virus transmission. Journal of Reproduction and Fertility Supplement, v. 35, p. 95-102, 1987.

 
 
Cavalo apresentando edema supraorbital
 

Página inicial Fale conosco Links Ouvidoria Mapa do site Intranet Webmail
 
  Instituto Biológico
Avenida Conselheiro Rodrigues Alves, 1.252 - CEP 04014-900
Telefone: (11) 5087-1701 - São Paulo - SP - Brasil