Quarta-Feira, 23 de Julho de 2014
Instituto Biológico
     
  Publicações  
     
  bulletArquivos do Instituto Biológico  
  bulletO Biológico  
  bulletPáginas do Instituto Biológico  
  bulletAnais da RIFIB  
  bulletBoletins Técnicos e Outras publicações  
  bulletComunicados Técnicos  
  bulletDocumentos Técnicos  
  bulletFolderes  
  bulletLivro: Bananicultura  
     
     
     
Home > Publicações > Comunicados técnicos > Traças no ambiente urbano
 
 
  Traças no ambiente urbano  
     
  Francisco José Zorzenon
zorzenon@biologico.sp.gov.br
Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Sanidade Vegetal
 
 

 
     
 

Muitos insetos, conhecidos por nós como “traças”, são considerados importantes pragas em áreas urbanas, infestando roupas, papéis, tapeçarias, estofados, livros, frutas secas, grãos ou outros alimentos armazenados e muitos outros produtos manufaturados ou não. Na área urbana, podemos identificar três grupos distintos de traças, reunidos em duas Ordens: as conhecidas traças dos livros ou traças prateadas, classificadas na Ordem Thysanura; as traças das roupas e as traças de produtos armazenados, ambas pertencentes à Ordem Lepidoptera (mariposas e borboletas). São conhecidas também uma infinidade de traças-praga em culturas agrícolas, atacando hortaliças e frutos frescos, causando enormes prejuízos à agricultura. Existem, ainda, espécies de traças que se alimentam da cera dos favos produzida pelas abelhas, destruindo-os e causando grandes perdas aos criadores de abelhas melíferas.

Traças dos livros (Ordem Thysanura) (Figura 1)

Os Thysanura (traças dos livros) estão entre os mais primitivos insetos conhecidos pelo homem. Esta pequena e cosmopolita Ordem é representada, até o momento, por 370 espécies identificadas e distribuídas em cinco famílias. Não apresentam asas, são de tamanho pequeno a médio (0,85 a 1,3 cm), corpo alongado, geralmente achatado dorso-ventralmente, com dois ou três filamentos caudais, sendo o aparelho bucal mastigador. São onívoros, alimentando-se de uma infinidade de produtos como farinhas, papel, capas de livros (papelão), papel de parede, roupas e tecidos entre outros. De hábito noturno, vivem preferencialmente em ambientes escuros e úmidos. São muito ágeis e escondem-se rapidamente em frestas de móveis, armários, rodapés e caixas, sendo este último, o principal veículo de dispersão da praga, levada junto a livros e utensílios domésticos em mudanças. Algumas traças adaptaram-se muito bem ao ambiente urbano, sendo consideradas importantes pragas domiciliares, como a espécie Lepisma saccharina L. Alimentam-se de todos os tipos de substâncias amiláticas, como amido dos livros, encadernações, papéis, etiquetas, etc. Em residências, alimentam-se de roupas, lençóis e sedas, além de farináceos em geral. Em museus, bibliotecas, tecelagens, supermercados, hotéis e em muitos outros estabelecimentos comerciais, as traças devem ser monitoradas com rigor, para evitar infestações severas e danos significativos. Os Thysanura, de um modo geral, não têm importância econômica no ponto de vista agrícola. No desenvolvimento biológico dos Thysanura, as fases jovens apresentam-se extremamente semelhantes à fase adulta, diferenciando-se apenas no tamanho e na maturidade sexual (ametabolia). Dependendo da espécie, clima, fonte alimentar, entre muitos outros fatores, os ovos podem eclodir em aproximadamente 10 a 60 dias, nascendo as formas jovens que passam por mudas consecutivas, demorando em média 2 a 3 meses até chegarem a fase adulta, quando o crescimento cessa. As traças adultas podem viver por mais de quatro anos. A traça dos livros lembra o aspecto de um peixe prateado, denominado na língua inglesa como "silverfish”. A maioria das espécies encontradas em áreas urbanas (residências, comércio, etc.) tem coloração cinza prateada.

Traças das roupas (Ordem Lepidoptera) (Figura 2)

As traças das roupas são pequenas mariposas pertencentes à família Tineidae, da Ordem Lepidoptera, sendo o gênero Tinea o de maior importância econômica em áreas urbanas. Diferentemente das traças dos livros, as traças das roupas possuem um desenvolvimento biológico chamado metamorfose completa, ou seja, dos ovos nascem as lagartas (fase jovem) completamente distintas da fase adulta (mariposa). Em algumas espécies, as lagartas tecem um pequeno estojo achatado e elíptico para sua proteção. Dentro deste invólucro protetor, a lagarta se desenvolve alimentando-se avidamente de uma infinidade de materiais como tapetes, roupas de lã, tecidos, estofamentos, entre muitos outros. São facilmente identificáveis ao serem vistas deslocando-se pelas paredes ou armários residenciais. A lagarta, após algum tempo, transforma-se em pupa e logo depois em mariposa, fase adulta alada e com capacidade reprodutiva.

Traças de produtos armazenados (Ordem Lepidoptera) (Figura 3)

São muitas as pragas encontradas em grãos, como milho, trigo e arroz e em diversos produtos armazenados como, frutas e cogumelos secos, farinhas e derivados, cereais matinais, biscoitos, chocolates, entre outros. Os principais gêneros encontrados infestando grãos e produtos armazenados são Plodia, Ephestia e Cadra. As traças destacam-se como pragas importantes, pois se desenvolvem em alimentos, destruindo-os e contaminando-os com suas fezes, fragmentos do próprio corpo (escamas de asas, pernas e o próprio inseto morto) e fios de seda característicos. As lagartas de muitas espécies de traças deixam rastros de sua passagem pelos alimentos, através da secreção de fios de seda, semelhantes a “teias”, que servem para a melhor locomoção pelo alimento e proteção quando próximo da pupação. Algum tempo após a pupação, a mariposa adulta (macho ou fêmea) emerge, realiza o acasalamento e segue seu ciclo, colocando ovos, infestando novos alimentos ou reinfestando o próprio substrato de origem. As pequenas mariposas são de coloração pálida, pouco vistosas, variando de espécie para espécie. O ciclo biológico das traças de produtos armazenados é variado, dependendo da espécie infestante, da temperatura, umidade relativa do ar, alimento, dentre muitos outros fatores. Normalmente os ciclos se completam em tempo relativamente curto, variando entre algumas semanas a poucos meses.

Prevenção e controle

A prevenção e o controle de traças, de um modo geral, dependem do monitoramento constante, ficando-se atento ao início da infestação, sempre mais fácil de ser controlada. Para as traças dos livros e das roupas, devemos evitar o acúmulo de papéis velhos, manter livros e revistas em locais adequados e limpos, evitar pontos de umidade (principalmente em gabinetes escuros de pias), evitar a entrada de objetos em caixas de papelão provenientes de locais infestados, manter limpos rodapés e frestas por meio de aspirador de pó, inspecionar periodicamente roupas, tapetes e outros objetos suscetíveis, manter estantes, armários e gabinetes arejados e limpos. Roupas atacadas poderão ser colocadas em sacos plásticos e dispostas em freezer por alguns dias, matando os ovos e traças (ou insetos) infestantes. Alimentos contaminados ou suspeitos do ataque de traças deverão ser descartados. Em infestações muito severas, o uso de determinados produtos inseticidas domissanitários, aplicados por uma empresa profissional controladora de pragas, certamente será a opção mais viável de controle.

 
 
Figura 1 – Traça dos livros
Foto: F.J. Zorzenon
 
Figura 2 – Traça das roupas
Foto: F.J. Zorzenon e J. Justi Junior
 
Figura 3 - Traça de produtos armazenados
Foto: F.J. Zorzenon
 

Página inicial Fale conosco Ouvidoria Mapa do site Intranet Webmail
 
  Instituto Biológico
Avenida Conselheiro Rodrigues Alves, 1.252 - CEP 04014-002
Telefone: (11) 5087-1701 - São Paulo - SP - Brasil