Portal do Governo | Investe SP | Cidadão SP | Internacional SP
 Terça-Feira, 30 de Maio de 2017
Instituto Biológico
     
  Notícias  
     
  bullet2017  
  bullet2016  
  bullet2015  
  bullet2014  
  bullet2013  
  bullet2012  
  bullet2011  
  bullet2010  
  bullet2009  
  bullet2008  
  bullet2007  
  bullet2006  
     
  bulletBio In - Biológico Informa  

     
   
     
  IB transfere conhecimento na produção de fungos e insetos usados no controle biológico de pragas e doenças  
  Assessoria de Imprensa IB/APTA
Fernanda Domiciano
 
     
 

Curso realizado pelo instituto há 17 anos possibilitou que diversas biofábricas brasileiras iniciassem suas atividades

Empresas, pesquisadores e cooperativas se reuniram no Instituto Biológico (IB-APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, para participarem da 24ª edição do Curso de Controle Microbiano de Insetos e Fungos Entomopatogênicos. De caráter teórico e prático, o curso ministrado pelo IB transfere conhecimento na produção de fungos e insetos utilizados no controle biológico de pragas e doenças. A relevância do conteúdo é tamanha, que diversas biofábricas começaram suas atividades após treinamento do Instituto. O IB, referência brasileira em controle biológico de pragas e doenças, completa 90 anos de atividade em 2017.

A 24ª edição do Curso de Controle Microbiano de Insetos e Fungos Entomopatogênicos reuniu 48 pessoas oriundas de São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Paraná, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Bahia, Minas Gerais e Maranhão. O treinamento foi realizado de 9 a 12 de maio de 2017, no Centro Experimental do IB em Campinas, interior paulista.

Segundo José Eduardo Marcondes de Almeida, pesquisador do IB, o objetivo do curso é transferir conhecimentos e tecnologias para viabilizar a expansão do controle biológico de pragas e doenças. “O curso nasceu de uma demanda do setor por Metarhizium anisopliae, utilizado no controle biológico da cigarrinha-da-raiz, uma das principais pragas da cultura da cana-de-açúcar. Naquela época, o setor sucroenegético precisava do Metarhizium, mas não tinha quem produzisse. O IB isolou o fungo, realizou treinamento e a partir daí diversas biofábricas começaram a surgir”, conta Almeida.

Este é o caso da Biocontrol, localizada em Sertãozinho, interior paulista. Elitamara Morsoletto, diretora de produção da empresa, conta que participou da primeira edição do curso do IB e a partir daí a biofábrica começou a operar e comercializar o Metarhizium para todo o Brasil. “A Biocontrol nasceu depois da primeira edição desse curso do IB. Depois, voltamos no Instituto para aprender a produzir Beuveria bassiana, usada no controle biológico da mosca-branca, e agora viemos novamente para adquirir novos conhecimentos para começar a produzir Trichoderma”, conta.

O Trichoderma age como um agente benéfico, pois além de controlar doenças, auxilia a planta a melhorar seu crescimento e sua produtividade. Esta foi a primeira edição do curso que contou com um dia exclusivo para tratar sobre o fungo. Em todo o País, o Trichoderma é utilizado em 5,5 milhões de hectares para o controle de doenças como mofo branco, fusariose e rizoctoniose, que podem causar prejuízos de at[e 100% da produção, dependendo da condição ambiental. Isso corresponde a um mercado que movimenta R$ 100 milhões, por ano.

A Toyobo Brasil é outro exemplo de empresa que começou a produzir agentes para o controle biológico a partir dos trabalhos de transferência de tecnologia e conhecimento do IB. Marcos Muller, gerente comercial da empresa, participou do curso do IB pela primeira vez em 2004. A partir dai, desenvolveu um projeto na área de controle biológico que foi implementado pela Toyobo.

“Os trabalhos da Toyobo com controle biológico se iniciaram a partir do curso. O IB foi fundamental para isso, pois nos deu o aporte necessário para iniciamos o projeto. A Toyobo Brasil inclusive já exportou essa ideia para outras unidades da empresa em outros países. É um projeto nacional bastante apoiado pela diretoria mundial da multinacional, voltado para a linha de ecologia e sustentabilidade do ambiente”, afirma.

Almeida estima que o IB atenda 90% das biofábricas brasileiras, localizadas em São Paulo, Minas Gerais, Alagoas, Rio de Janeiro, Tocantins, Mato Grosso, Paraná e Bahia. “O Brasil possui cerca de 50 biofábricas nessa atividade e o IB atende 46, responsáveis pela geração de mais de dois mil empregos diretos e indiretos. Elas atuam na produção de patógenos para controle de pragas e doenças na cana-de-açúcar, soja, banana e milho”, diz. O instituto de pesquisa paulista já treinou 600 profissionais na área, aproximadamente.

Em 2016, o Instituto firmou parceria com as empresas Stoller do Brasil, em Paulínia, Bionature SRL, em Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, Gênica Inovação Biotecnológica, em Piracicaba, e Biosoja Fertilizantes e Inoculantes, em São Joaquim da Barra. O instituto também renovou o contrato com a Vital Brasil Chemical Indústria e Comércio de Produtos Químicos, em Barretos, Bellagro Tecnologia, em Bom Jesus dos Perdões, e Tecnicontrol Indústria e Comércio de Produtos Biológicos, em Piracicaba.

“Temos trabalhado para criar mecanismos para facilitar essa interação entre nossos institutos e a iniciativa privada. Esta parceria traz retornos positivos para as instituições, empresa e sociedade, por isso, é uma orientação do governador Geraldo Alckmin”, ressalta Arnaldo Jardim, secretário de Agricultura e Abastecimento.

 

Página inicial Fale conosco Links Ouvidoria Mapa do site Intranet Webmail
 
  Instituto Biológico
Avenida Conselheiro Rodrigues Alves, 1.252 - CEP 04014-900
Telefone: (11) 5087-1701 - São Paulo - SP - Brasil